domingo, maio 11, 2008

Parábola do Jorge

O Jorge tinha sempre mais dinheiro do que o resto do pessoal lá do bairro. Nunca explicou como obtinha esse dinheiro, mas toda a gente sabia que ele roubava auto-rádios: dezenas de moradores já se tinham queixado dos roubos, mas nunca tinha sido apanhado.

Um dia, finalmente, alguém mostrou uma filmagem com meia dúzia de anos onde se via o Jorge a roubar um auto-rádio. Agora sim ia-se fazer justiça, pensaram alguns mais ingénuos; finalmente havia uma prova de todos os roubos que andou a fazer durante anos. A decisão da "justiça" conseguiu surpreender: o Jorge foi apenas condenado a devolver o auto-rádio que roubou naquele dia, que ainda tinha lá guardado e que já nem funcionava. De resto, tudo continuou como dantes.

"Nem tudo foi em vão", pensou o pessoal lá do bairro, que era muito bom a perceber parábolas. "Pelo menos agora não vamos ter de ouvir os portistas a dizer que nunca se provou nada".

4 comentários:

pvl disse...

O Jorge tem 60 milhões de euros por ano. Os árbitros sabem disso. E vendem-se apenas por uma visita de uma prostituta? Alguém acredita que os árbitros sejam assim tão burros?

Para mim é como diz o António Barreto:

“Não é admissível que um clube do Norte provinciano exerça uma hegemonia quase sem falhas. O Porto haveria de pagar. "

Rui Dantas disse...

60 milhões? O Jorge? A roubar auto-rádios? :)

O teu argumento fez-me pensar. O meu patrão, como sabes, também tem meia dúzia de contos de lado no banco. Eu, burro, vou trabalhar todos os dias por uma ninharia (e prostitutas nem vê-las!). Vou-lhe dar uma apitadela, suponho que vá corrigir a situação imediatamente.

Caminho disse...

Jorge mais conhecido como PC

pvl disse...

:-)

É isso, se o teu patrão te pedir para fazeres uma cena ilegal tu pede-lhe uns milhões em troca. Não te fiques por uma menina e uma pancadinha nas costas.